Banner
Retornar a home

Destaques
André Matias e Thais Cirenza

Quando o ano começou a palavra de ordem era incerteza. As dúvidas quanto ao futuro da política e da economia viajavam da mesa do bar aos conselhos das empresas. Espalhou-se uma onda de cautela que freou investimentos, encolheu bolsos e acirrou a pressão por resultados. Mas se para o ano de 2016 a crise parecia ser a regra, nosso ranking mostrou que o Brasil é feito de grandes exceções.

A verdade é que das 25 marcas brasileiras mais valiosas, 15 cresceram em valor quando comparadas a 2015, sendo 7 crescimentos de dois dígitos. Por outro lado, 8 marcas perderam valor e 3 setores reduziram sua participação no valor total do ranking.

Alguns pontos nos ajudam a entender o impacto desse cenário de crise e crescimento para as Marcas Brasileiras Mais Valiosas.

Valor total do portfolio de marcas

Valor das marcas

Enquanto a economia brasileira encolhe e os principais indicadores são negativos, o valor total das 25 marcas brasileiras mais valiosas cresceu 5,4% este ano. O portfólio, que valia R$104 bilhões no ano passado, passou a valer R$110 bilhões.

Top 5

Valor das marcas

Esse cenário parece fortalecer ainda mais as marcas do topo da tabela. As cinco marcas brasileiras mais valiosas agora representam 73,8% do valor total do portfólio, contra 71,5% do ano passado. Estas marcas fortes se mostram mais blindadas e protegidas das variações e pressões do mercado.

Destaque 25º marca

Localiza

Fazer parte da tabela do ranking também ficou mais difícil em 2016. A valorização de 7% no valor da 25ª marca provou que a regra geral do mercado não se aplica a todos. Serão necessários ainda mais esforços e investimentos para aquelas que querem estar entre as marcas mais valiosas.

Os 5 maiores crescimentos

Havaianas
Renner
Ipiranga
Bradesco
Lojas Americanas

Os novos entrantes

CVC
Magazine Luiza

Participação por Setor

Os setores financeiro e cervejeiro tiveram valorização de 7% em relação ao ano anterior. O varejo, tão impactado pela redução no ritmo de consumo, conseguiu histórias otimistas que compensaram algumas quedas no setor, resultando em um crescimento de 14,4%.

  • Serviços Financeiros
  • Bebidas
  • Bens de Consumo
  • Distribuição de Combustível
  • Varejo
  • Meios de Pagamanto
  • Telecomunicações
  • Vestuário
  • Seguros
  • Tecnologia
  • Turismo
  • Aluguel de Veículos
Serviços Financeiros Bebidas Bens de Consumo Distribuição de Combustível Varejo Meios de Pagamanto Telecomunicações Vestuário Seguros Tecnologia Turismo Aluguel de Veículos
André Matias

André Matias
Diretor de Estratégia e Brand Valuation da Interbrand São Paulo
andre.matias@interbrand.com

Thais Cirenza

Thais Cirenza
Analista de Estratégia e Brand Valuation da Interbrand São Paulo
thais.cirenza@interbrand.com